Quiropraxia

De acordo com a Federação Mundial de Quiropraxia (WFC sigla em inglês) e a Organização Mundial da Saúde (WHO sigla em inglês), a Quiropraxia é uma profissão que se dedica ao diagnóstico, tratamento e prevenção das disfunções mecânicas no sistema neuromusculoesquelético e os efeitos dessas disfunções na função normal do sistema nervoso e na saúde geral. No Brasil, a profissão está em processo de regulamentação, ao contrário de diversos outros países onde já se encontra estabelecida, como EUA e Canadá. Ainda assim, existem dois cursos universitários de Quiropraxia reconhecidos pelo MEC. Há uma ênfase no tratamento manual incluindo a manipulação articular ou “ajustamento” ou outro tipo de manipulação articular e terapia de tecidos moles.

A Quiropraxia hoje está entre as quatro maiores profissões na área de saúde, junto com a Medicina, Biomedicina e Odontologia, nos países desenvolvidos. No Brasil existem duas Universidades com graduação em Quiropraxia, ambas particulares.

Sua organização e fundação foi realizada por Daniel David Palmer, em Davenport, Iowa nos Estados Unidos da América no ano de 1895, Dr. Palmer foi autodidata, assíduo leitor de jornais científicos de sua época, especialmente os que abordavam Anatomia Humana e Fisiologia Humana, adquirindo um excelente conhecimento sobre saúde e Medicina de sua época. Em 1897 foi fundada a Palmer School of Chiropractic, a primeira escola de Quiropraxia no mundo; atualmente é uma faculdade conhecida por Palmer Chiropractic College e estabelecida em Davenport, Iowa nos Estados Unidos da América.

No ano de 1948 a Quiropraxia era definida da seguinte maneira: a Quiropraxia é uma filosofia, ciência e arte de eventos naturais; um sistema de ajustamentos de segmentos da coluna vertebral utilizando somente as mãos, para correção das causas das doenças. A ausência do conceito com amparo científico era normal até a década de 50 do século XX pois havia uma certa limitação na produção científica nos primórdios da especialização, como pode ser observada na mudança da duração do curso oferecido pela Palmer School of Chiropractic que até o ano de 1949 era de 18 meses de duração, passando para 4 anos de ensino.

A partir de então, observa-se um crescimento significativo com relação ao número de profissionais, à qualidade do ensino, à pesquisa científica, ao número de faculdades e à internacionalização da profissão. Atualmente a Quiropraxia é estabelecida em mais de 60 países, havendo aproximadamente 100 mil profissionais no mundo, dos quais 69% encontram-se em território norte-americano. Estima-se que no ano de 2010 existirão mais de 150 mil quiropraxistas em todo o mundo.

Em 1963 criou-se o Conselho Nacional de Examinadores de Quiropraxia (NBCE sigla em inglês) nos Estados Unidos da América, com objetivo de promover consistência e reciprocidade entre os conselhos de examinadores dos estados associados. O NBCE zela pela excelência da profissão, promovendo a análise dos profissionais, faculdades e associações de Quiropraxia nos EUA.

No ano de 1988 foi fundada a Federação Mundial de Quiropraxia (WFC sigla em inglês), tendo como membros associados 70 associações de diversos países que, em 1997, passou a ter relações oficiais com a Organização Mundial da Saúde (WHO sigla em inglês).

No ano de 2005 houve um encontro entre Quiropraxistas e outros profissionais da saúde promovido pela OMS na província da Lombardia, Itália, a fim de formar um documento que preconiza a prática da profissão, onde nasceu o WHO guidelines on basic training and safety in Chiropractic, servindo como base para regulamentação da profissão em países membros da WHO, como é o caso do Brasil.

A atuação do quiropraxista está no sistema neuro-músculo-esquelético. Os principais acometimentos tratados pela Quiropraxia são:
  • Dores na coluna lombar
  • Hérnia de disco e dor ciática
  • Dores no pescoço
  • Dores e tensão muscular
  • Problemas nas articulações do ombro, cotovelo, punho, joelho, tornozelo
  • Restrições à movimentações
  • DORT/LER

Existem centenas de pesquisas que relatam o tratamento de Quiropraxia como uma das formas mais seguras para acometimentos articulares, especialmente a coluna vertebral.

Lombalgia

Um estudo conduzido pelo médico T.W. Meade, publicado no British Medical Journal, concluiu, após dois anos de acompanhamento dos pacientes, que “para pacientes com dor na coluna lombar, para os quais não haja contra-indicação quanto à manipulação articular, a Quiropraxia praticamente garante benefícios compensadores e de longa duração, em comparação aos tratamentos hospitalares ambulatoriais oferecidos a pacientes”.

Cervicalgia

Médicos e Quiropraxistas da Corporação RAND e de várias outras instituições acadêmicas, realizaram uma revisão de literatura sobre o tratamentos para dor cervical. Os autores concluíram que a manipulação articular é mais eficaz de que a mobilização ou tratamento fisioterápico de alguns casos de dor cervical subaguda ou crônica e perceberam que “todos os três tratamentos são provavelmente superiores ao tratamento médico”.

Dor de Cabeça

Boline e cols conduziram um estudo, no ano de 1995, randomizando, comparando a manipulação articular da coluna com a medicação para dor (amitriptilina) no tratamento de cefaléia tensional. Os autores concluíram que os analgésicos tem eficácia de curta duração e apresentam efeitos colaterais, enquanto “quatro semanas após a conclusão da intervenção, o grupo que sofreu manipulação da coluna demonstrou redução de 32% na intensidade da dor de cabeça, 30% no uso do medicamento simples, e 16% de melhora funcional da saúde, como um todo. O grupo que recebeu a terapia por amitriptilina não demonstrou melhora alguma, tendo apresentado, inclusive, uma piora sutil”.

Satisfação ao Tratamento Quiroprático

Um estudo de 1998 relatou que a Quiropraxia é o tratamento não médico mais freqüentemente usado nos EUA e proporciona alta satisfação aos seus usuários: “Praticamente todos os pacientes tratados por um quiropraxista declaram-se satisfeito com o seu tratamento; três quartos (73%) declaram-se ‘muito satisfeito’ e 23% declaram-se ‘razoavelmente satisfeito’ “